Cavacas de Resende | Receitas e Menus

Receba por email as últimas atualizações deste site.

A subscrição é anónima e gera apenas um e-mail por dia.
Insira o seu endereço de email:

Por favor, se você acha que esse conteúdo é útil, compartilhe a(s) nossa(s) receita(s) nas suas redes sociais. Isso ajuda este site a continuar a publicar conteúdo relevante para si e para todas as suas redes de contatos.

Obrigado!

Gastronomia da Beira Alta

Cavacas de Resende

Partilhe esta receita:
Sending
Classificação:
0 (0 votes)

Esta delícia da doçaria tradicional, conhecida desde tempos imemoriais, ainda é feita, por regra, à moda antiga, mexida à mão e cozida nos fornos alimentados a lenha, tal como faziam no tempo dos nossos avós.

Mas, não se iludam os que tencionam confecionar esta iguaria, pois, para além de a tradição ser um dos segredos do sucesso, há quem afirme que as Cavacas são um doce fino que só as mulheres de Resende o sabem fazer.

A Cavaca, que mede cerca de 5 cm de comprimento por 2,5 cm de largura e 2 cm de espessura necessita para a sua confeção de apenas três ingredientes: ovos, farinha e açúcar. A receita para 12 cavacas é a seguinte:

 

  • 15 ovos (dos quais 8 inteiros e 7 gemas)
  • 750 gramas de açúcar
  • 280 gramas de farinha

Coloque os 8 ovos inteiros e as 7 gemas num alguidar e acrescente o açúcar batendo muito bem.

De seguida, vá juntando a farinha aos poucos mexendo sempre até envolver bem a massa. Polvilhe o tabuleiro com farinha e coloque a massa levando de seguida ao forno.

Prepare a calda de açúcar em ponto de mel. Depois de pronta, retire a massa do forno e corte em fatias.

Molhe as fatias na calda e de seguida cubra cada fatia com a calda em ponto de pérola e farinha.

Segundo o método artesanal, a massa bate-se num aparelho movido à mão denominado “banco” (utensílio constituído por um alguidar dentro de um banco, ladeado por umas correias que batem a massa), devem utilizar-se ovos muito frescos e caseiros e a sua cozedura deve realizar-se no forno a lenha, numa apologia do que é tradicional é bom.

Depois da cozedura, são cobertas com a calda já referida e o resultado são doces maravilhas, que acompanhadas por um cálice de vinho do Porto, fazem as delícias de muitos.

Deixe um comentário